Hélder Silva vence em Santa Marta e dá passo importante rumo ao título absoluto!

0
406

A terceira vitória da temporada do piloto da Power House e a ausência forçada do seu adversário direto na luta pelo título absoluto, isolou Hélder Silva ainda mais no comando do campeonato e é agora grande candidato a renovar o cetro que conquistou em 2021. António Rodrigues e Nuno Guimarães deram um duplo pódio absoluto à equipa duriense NJ Racing.

Foi debaixo de uma canícula abrasadora que decorreu a sexta prova da temporada do Campeonato de Portugal de Montanha JC Group. O fim-de-semana foi repleto de incidentes, resolvidos com eficácia pelo Clube Automóvel da Régua com eficácia. Em termos desportivos, destaque inicial para as sete dezenas de participantes integrados no Campeonato de Portugal de Montanha JC Group, numa época em que a modalidade está a bater recordes de popularidade.

Quando à discussão do título de “Rei do Douro Vinhateiro”, Hélder Silva puxou dos galões de campeão e líder do campeonato e aproveitou da melhor maneira a ausência forçada por motivos familiares de José Correia, seu grande oponente na luta pelo cetro nacional absoluto.

Extraindo todo o potencial da sua “barchetta” Osella PA2000 EVO2, Hélder Silva foi sempre o mais rápido, mas não teve um fim-de-semana relaxado pois, teve sempre dois pilotos durienses na sua “cola” e nunca a uma distância que se tornasse totalmente impossível de ultrapassar.

A correrem quase literalmente em casa, António Rodrigues e Nuno Guimarães estiveram sempre muito rápidos e eficazes aos comandos, respetivamente, do Silver Car EF10 e do Silver Car S2 da equipa NJ Racing, sendo com todo o mérito que subiriam aos restantes degraus do pódio absoluto final desta 7ª Rampa de Santa Marta.

A prova foi assim a confirmação final do regresso às boas exibições de António Rodrigues. Depois do início “negro” da época, a “Bala do Douro” começa a dominar o potente Silver Car EF10 e está claramente transformado num candidato a chegar brevemente à primeira vitória absoluta da sua carreira. Na rampa do Clube Automóvel da Régua, ficou a apenas 4,8 segundos do vencedor, encurtando distâncias em relação a provas anteriores.

Quanto ao “Capitão da Montanha” Nuno Guimarães foi 3º da geral, a 1,8 segundos do seu colega de equipa, dominando ainda na luta particular dos Protótipos B, divisão que claramente vencerá no fecho da temporada. Nestas contas dos “B”, foi novamente secundado por Joaquim Rino (BRC BR49 EVO), que almejou ser 5º da geral, cabendo a Victor Bessa colocar o Radical Club Sport no terceiro posto da divisão.

Uma palavra para Sérgio Nogueira, 4º na tabela absoluta. Está cada vez mais forte e capaz de levar aos limites a sua Osella PA21 S EVO, sendo perfeitamente capaz de vir a reclamar um pódio ainda esta temporada.

Na discussão dos GT, Vítor Pascoal (Porsche 991 GT3 CUP) conquistou confortavelmente a quinta vitória da época, sendo ainda 7º da geral e, a duas provas do final, deu a machadada final na questão do título, até porque Gabriela Correia, a exemplo do seu pai José e pelas mesmas razões familiares, não esteve presente.

O espanhol Bernardo Garcia de Castro (Porsche 997 GT3), foi 2º, cabendo a “fava” do infortúnio a Daniel Vilaça, que desistiu com um problema técnico no seu Nissan Nismo 370Z.

Por seu lado, Luís Nunes levou o seu Skoda Fabia Rally2 EVO ao Top 6 absoluto, vencendo de forma convincente a Categoria Turismo e a respetiva Divisão 1. Nesta, foi secundado por Carlos Gonçalves (Mitsubishi Lancer EVO X) e por Daniel Marques  num Subaru Impreza.

Já Joaquim Teixeira voltou a mostrar todo o talento e foco que possuiu. O piloto e “patrão” da JT59 Racing Team/Bompiso não registou qualquer tempo na 1ª Subida de Prova, devido a um furo.

As outras duas subidas “a valer” transformaram-se assim num duplo desafio de “tudo ou nada”, mas não é à toa que lhe chamam o “Demolidor de Trás-os-Montes” e impôs um ritmo incrível ao Cupra TCR, terminando em 2º dos Turismo, 9º da geral, vencendo ainda a Divisão 2.

Aqui, realce para a magnifica exibição de José Carlos Pouca Sorte. Sempre rápido e em alta rotação com o seu VW Golf R35 foi premiado com o 2º lugar na divisão e o 3º posto na geral dos Turismo. Já Manuel Rocha e Sousa  levou o seu Cupra TCR ao 3º posto na D2.

Quanto aos Turismos 3, o habitual “taco-a-taco” entre Bruno Carvalho e Parcídio Summavielle transformou-se numa “batalha sem tréguas” a três.

Alberto Pereira (Honda Civic Type R) conhece o traçado de Santa Marta como poucos e tem alma e talento para dar e vender. Assim logrou desfeitear os pilotos do Citroen Saxo e do Renault Clio RS R3 na subida de prova de sábado, acabando por ceder no domingo, caindo para terceiro, a apenas nove décimas de segundo da vitória, num dia em que foi alvo de alguns incidentes.

Como tal, Summavielle e Carvalho ficaram frente a frente num “duelo ao sol” próprio de dois grandes “pistoleiros” e não desiludiram o público presente. O fafense, que tinha sido mais rápido na subida 1, viu Carvalho impor o Saxo na subida 2, ficando tudo em aberto para a terceira.

Aí, Alberto Pereira teve os problemas já mencionados e Bruno Carvalho piorou ligeiramente o seu melhor tempo. Parcídio Summavielle “voou” rampa acima, tornou-se o primeiro piloto da divisão a rodar em menos de 1:59, acabando por conquistar com brilhantismo o seu terceiro triunfo da temporada, por apenas 527 milésimas de segundo. Foi uma batalha épica!

Agora, o Campeonato de Portugal de Montanha JC Group só volta à ação em Julho. Será nos dias 16 e 17 que se realizará a Rampa do Caramulo, sob a égide organizativa do Targa Clube, sendo muito provável que a penúltima prova da temporada seja decisiva para a atribuição da maior parte dos títulos nacionais em jogo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here