Fim-de-semana quase perfeito para Parcídio Summavielle

0
258

O piloto de Fafe esteve em excelente nível na Rampa de Boticas, concluindo o Campeonato de Portugal de Montanha JC Group com uma vitória na Divisão Turismos 3 e uma brilhante exibição nos Clássicos com o Datsun 240Z.

Parcidio Summavielle tinha-se proposto terminar em grande a temporada ao alinhar em duas frentes. Não apenas no Renault Clio R3, na derradeira batalha pelo ‘seu’ campeonato, mas também numa participação esporádica com um automóvel icónico de outros tempos. E a festa foi total.

“Foi uma participação muito feliz. O fim-de-semana correu sempre bem. Primeiro foi muito especial para mim trazer o 240Z, que fazia 50 anos, e é mais um pódio. E por outro a prova com o Clio não podia correr melhor”, começa por dizer o piloto de Fafe em jeito de balanço.

Parcidio destaca o facto da “prova com o Clio não podia correr melhor. Fomos sempre os mais rápidos. Não demos cabo de material nenhum. Também não tinha grandes ambições, a não ser fazer o melhor com o que tinha, com pneus usados e deu para garantir a terceira vitória do ano. Até para fazer ‘a mão’ para a Rampa da Falperra que vem por aí. Que é uma prova diferente, em que vamos fazer equipa”.

O piloto de Fafe concede também que na ‘guerra’ dos Renault Clio da Divisão Turismos 3 “o Sérgio (Nogueira) foi melhor. Ele também procurava há muito tempo o título. Alcançou-o. Está de parabéns. É um amigo, e por isso mando um abraço para ele. E agora vamos procurar fechar bem a época. E também tentar mudar de ‘montada’. Porque queremos fazer mais e melhor e o Clio está esgotado”.

O piloto fafense da UZO diz que o ‘treino’ que teve em Boticas foi importante para apurar a sua forma para o Hill Climb Masters. “A regularidade vai ser mais importante do que a velocidade. Mas foi importante ganhar a ‘mão’ (com o 240Z). Pois estava parado há muito tempo”, explica.

Parcício Summavielle diz que ficou “muito feliz, muito orgulhoso e muito honrado” quando lhe disseram que iria fazer parte da Seleção Nacional que vai estar presente na Falperra, a disputar a Taça das Nações, pois foi algo que o “apanhou completamente de surpresa. Não estava à espera. Mas acho também que tem que ver que nestas seis épocas termos feito muito bem o nosso trabalho. Penso que temos sido muito regulares, seguramente muito competitivos. Vamos para Braga com o propósito de dar tudo em prol da Seleção!”.

FONTE: VEDDACOM

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here