Rampa de Boticas recebe o duelo final!

0
196

A oitava e última prova do ano será decisiva para a atribuição do título absoluto, estando ainda em liça mais algumas discussões acesas, destacando-se a “batalha” intensa pelo triunfo final na Divisão Turismo 3. Aplausos ainda para as quase seis dezenas de inscritos na prova.

5110 metros, com uma inclinação média de 9,2% e um acumulado de subida de 727 metros. Eis o palco desafiante montado em Boticas, que irá receber o “show” final do Campeonato de Portugal de Montanha JC Group, com a festa a prometer ser rija na emoção e na competição.

Sob a batuta organizativa do Demoporto, o belo concelho cravado no coração transmontano recebeu os favores da “Família da Montanha” que acorre a esta oitava e última jornada do ano em massa. 50 inscritos nas lides do Campeonato de Portugal de Montanha JC Group, a que se juntam mais 6 na Rampa Regional, atestando, uma vez mais, a saúde qualitativa e quantitativa que a modalidade tem ostentado ao longo de 2022.

Hélder Silva ou José Correia. Osella PA2000 EVO 2 PA.30 ou Norma FC20. Eis a questão maior para decidir em Boticas.

Ou o piloto poveiro da Power House renova o título conquistado em 2021, ou o “patrão” e piloto da JC Group Racing recupera o cetro que tinha conquistado em 2020.

Hélder Silva parte como favorito, não só, porque lidera destacado a tabela pontual, mas também porque lhe basta tabela alinhar nas subidas oficiais de treinos para resolver a questão. Mas, em corridas, tudo se pode alterar e Hélder Silva sabe que José Correia tudo fará para o contrariar e regressar aos triunfos.

Os dois não estão sós neste debate competitivo pelo triunfo na pista transmontana.

Vindo da sua primeira vitória absoluta na carreira, António Rodrigues aparece muito motivado e ciente de que tem argumentos para vencer. O piloto do SilverCar EF10 da NJ Racing/Lusimed terá uma palavra forte a dizer na contenda, o mesmo sucedendo com Sérgio Nogueira, cada vez mais competitivo aos comandos da Osella PA21S EVo da NSF Racing Team, bem como também acontece com o espanhol César Rodrigues Alonso (Osella PA21 Jrb), a atentar pela competitividade que demonstrou em anteriores presenças no campeonato.

Também “rasgadinho” vai ser o embate entre os Protótipos B.

A questão do triunfo final nesta divisão está já decidida. Nuno Guimarães (SilverCar S2) já reclamou o cetro para a NJ Racing e está livre de qualquer pressão para tentar conquistar mais uma vitória no ano, até porque sabe que também já assegurou o lugar no degrau mais baixo do pódio absoluto do campeonato.

Vai medir forças com Joaquim Rino (BRC BR49 EVO) e com o espanhol Martim Bangueses (BRC 05 EVO), que se estreia no CPM JC Group, contando a divisão ainda com o regresso do duriense Victor Bessa, no Radical Clubsport.

Entre os GT, destaque para a ausência de Vítor Pascoal. O baionense já é campeão, após a vitória no Caramulo o consagrar pela segunda vez na carreira e optou por fazer alguns ralis até ao fecho da temporada.

Será interessante de seguir o duelo muito aberto que se antevê entre Gabriela Correia (Mercedes AMG GT4) e o espanhol Bernardo Garcia de Castro (Porsche 997 GT3 CUP), ficando a aguardar um deslize do duo o bracarense Daniel Vilaça, no seu Nissan Nismo 370Z.

Nos Turismo, é expectável que logo na sessão inaugural de treinos cronometrados, Luís Nunes (Skoda Fabia R5) resolva a questão matemática do quarto título nacional da categoria, ficando assim livre para lutar por mais um triunfo na categoria e na Divisão 1, onde está ainda invicto nesta época.

Nesta divisão particular, reservada aos carros com quatro rodas motrizes, a luta pelo pódio será protagonizada pelo Mitsubishi Lancer EVO X de Carlos Gonçalves e os Subaru Impreza WRX de Daniela Marques e Pedro F. Marques.

Na Divisão Turismo 2, onde competem os carros da categoria com duas rodas motrizes e motor com cilindrada igual ou superior a dois litros, Joaquim Teixeira, no Cupra TCR da JT59 Racing Team quererá não só manter a invencibilidade na divisão, mas, sobretudo dar tudo para conquistar a terceira vitória da temporada na categoria.

Expectável é também mais uma grande exibição de José Carlos Pouca Sorte. O piloto do VW Golf R35 GTI da Megamotors está a fazer um final de temporada brilhante e quer os pódios da divisão e da categoria. Por seu lado os bracarenses Paulo Silva (Audi RS3 LMS) e Manuel Rocha e Sousa (Cupra TCR) também têm o mesmo objetivo que Pouca Sorte, dando assim grande animação à luta que se antevê entre os três.

Aníbal Pinto (BMW 330ci), José Carlos Magalhães (Fiat Punto R3D) e António Veloso (Fiat Abarth 500) completam o lote dos pilotos inscritos nesta divisão.

E não é que o duelo a dois na Divisão Turismo 3 está cada vez mais transformado numa “batalha” a três?

E tudo porque, a Bruno Carvalho (Citroen Saxo) e Parcídio Summavielle (Renault Clio RS R3), os dois candidatos ao título em discussão nesta divisão reservada aos carros de Turismo com cilindrada inferior a 2000cc e duas rodas motrizes, se junta agora em termos de capacidade para vencer Alberto Pereira e o seu Honda Civic Type R.

A diferença entre os três na última prova, no Caramulo, foi medida à centésima de segundo e tudo aponta para que voltemos a ter a mesma “dose” de imprevisibilidade no resultado, fruto do equilíbrio de performance, em Boticas. Vai ser intenso!

Ao trio, junta-se na T3 José Borges (Citroen C2 R2), Rute Brás (Peugeot 206 RC), José Cardoso (Citroen Saxo), Paulo Cardoso (Renault Clio RS) e os Toyota Corolla T-Sport de Francisco Vieira Leite e de Pedro Dias.

Sérgio Mateus volta a não faltar à “festa”, sendo de esperar que o piloto do Semog Troféu inscrito na Taça de Portugal de Kartcross de Montanha JC Group privilegie, como sempre, o espetáculo.

Luís Silva no encalço da época perfeita

Quanto ao Campeonato de Portugal Legends de Montanha, o interesse dos aficionados prende-se com o desafio que faz Luís Silva alinhar, já depois de ter conquistado o título nacional no Caramulo.

O “Canhão de Famalicão” vai até Boticas no encalço da época perfeita, querendo levar. Seu BMW M3 até ao oitavo triunfo de 2022, desiderato que, em circunstâncias normais, será o mais previsível, face ao domínio avassalador que tem ostentado ao longo de toda a temporada. Mas a concorrência promete luta mais intensa até porque está bem reforçada em Boticas. Aos habituais João Macedo (BMW 328is) e Migue Gonçalves (BMW E36 Coupé) junta-se o regressado Carlos Oliveira (Ford Sierra Cosworth RS) e João Pires num potente BMW M3, sendo também de esperar uma boa prestação por parte de Celso Fonseca (Citroen Saxo).

A lista dos Legends incluiu ainda Miguel Gonçalves, no Peugeot 106 S16 da MNE Sport e João Vasques, tripulando um BMW 318is.

Quanto aos Clássicos, a refrega pela última vitória na temporada vai ficar reservada aos dois pilotos dos Ford Escort MKII do Caramulo Racing Team. Fernando Salgueiro e Ricardo Loureiro protagonizarão assim mais um dos muitos duelos que já travaram nas suas carreiras.

“Patrão fora”, luta aberta nos 1300

Com tudo já decidido quanto ao pódio final desta primeira edição do Campeonato de Portugal de Montanha 1300 JC Group, a luta em Boticas não vai contar com a presença do campeão Armando Freitas.

Ora, ficando de fora o piloto que, aos comandos de um Toyota Starlet, venceu seis das sete provas em que a participou, a luta pelo triunfo fica muito mais aberta e estando também ausente Daniel Rolo, que venceu com o Datsun 1200 Coupé na Arrábida, iremos ter um novo vencedor.

Na linha da frente do favoritismo, partem João Diogo Santos (Fiat Punto 85 Sport) e Eva Laranjeira (Peugeot 205 Rallye), sendo de esperar que Rita Matos (Fiat Uno 45S), o crónico candidato entre os Clássicos 1300, José Pedro Figueiredo (Datsun 1200) e ainda Daniela Ferreira (Citroen C1) queiram tudo fazer para reservar um lugar no pódio final.

Boticas contará ainda com a presença de mais dois pilotos entre os Clássicos 1300. Domingos Fernandes (Autobianchi A122) e Carlos Delgado (Ford Escort MKI), com este a fazer a primeira prova nesta temporada.

Em termos de programa competitivo, a Rampa de Boticas 2022 arrancará no sábado, pelas 13.30 horas, com a 1ª Subida de Treinos Oficiais, incluindo ainda no dia inaugural mais uma Subida de Treinos, e a 1ª Subida Oficial, que previsivelmente arrancará pelas 16.30 horas.

No domingo, o Warm-up matinal está marcado para as 10.00 horas, antecedendo a última Subida de Treinos da prova. Depois, será tempo de todas as decisões, com a 2ª e a 3ª Subida de Prova, que terão início após o meio-dia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here